Exsynutriment® & Nonychosine® V no tratamento de unhas fracas

Crescimento e Ancoragem dos fios
9 de novembro de 2017
Silício orgânico: seu importante papel no tratamento dos cabelos e unhas.
4 de dezembro de 2017

por Dra. Tatiana Villas Boas Gabbi*

Um dos principais motivos que faz com que as pessoas procurem o consultório do dermatologista é a queixa de unhas fracas. O quadro é muito mais frequente em mulheres adultas, com um pico aos 50-70 anos de idade. Ao contrário do que imaginamos, há muito que podemos fazer por nossos pacientes.

Em primeiro lugar é fundamental excluir dermatoses como a psoríase, o líquen plano e a micose de unha, além dos tumores subungueais. É importante salientar que todas essas condições, desde que diagnosticadas e tratadas também de forma específica, podem se beneficiar dos mesmos tratamentos recomendados para as unhas fracas.

Outra noção importante é entender que as unhas demoram a crescer, ou seja, levam-se em média quatro meses para trocarmos as unhas das mãos e cerca de um ano para trocarmos as unhas dos pés. Portanto, as intervenções mé- dicas devem ser feitas de forma sustentada e precisamos aprender a controlar a ansiedade e o estresse do nosso paciente que deseja resultados imediatos. Os melhores resultados são obtidos utilizando uma combinação de ativos tópicos e os de via oral.

Vamos abordar primeiramente os ativos via oral:

Biotina – vitamina B8 ou vitamina H Os trabalhos na literatura apontam uma consistência grande com o uso da Biotina na dose de 2,5mg por via oral durante um período mínimo de 3 meses. Há um aumento da espessura da unha, e isso se perde cerca de 3 meses após a interrupção do tratamento. Alguns autores recomendam doses mais altas de Biotina chegando até 10mg ao dia. Essa dose não é tóxica nem chega próxima ao nível de toxicidade. Alguns artigos atentam para a possibilidade de alteração nos dados laboratoriais que usam a biotinidase na sua metodologia, notadamente os hormônios tireoidianos. Por conta disso, alguns laboratórios já recomendam que se interrompa o uso da biotina de 7-15 dias antes da coleta para que não haja essa interferência.

Exsynutriment®: silício orgânico estabilizado em colágeno marinho

O silício orgânico pode ser utilizado em associação com a biotina em doses que variam de 100 a 200mg ao dia e vários experts que utilizam a associação relatam uma melhora da resposta ao tratamento. O silício atua na síntese de colágeno tipo I, aumenta a síntese e a compactação da queratina nas unhas e promove a estabilidade da matriz de glicosaminoglicanas (GAGs) que auxiliam na retenção da umidade. Além disso, ele incrementa a resistência a infecções. O silício é, portanto, fundamental para a coesão e adesão das fibras de queratina aumentando o seu crosslinking e estabilizando o cimento intercelular. Isso acaba por tornar as unhas menos quebradiças.

Exsynutriment®, silício orgânico biologicamente ativo, como nutriente funcional oral estimula o crescimento e promove a dureza das unhas. Para uso tópico podemos associá-lo ao Nonychosine V® um blend que contém silicones, poliéster acrílico do tipo siloxânico (Silício Orgânico) e acetilmetionina. É ainda particularmente recomendado para os cuidados das unhas e na prevenção de onicoses.

Nonychosine V® apresenta como principais benefícios o fato de evitar a quebra das unhas ao mesmo tempo em que promove o seu fortalecimento aumentando a citoestimulação e normalizando o seu crescimento. Substitui ainda o formaldeído.

Aminoácidos e minerais

A cisteína e a metionina, aminoácidos ricos em enxofre, são importantes para a formação da queratina e desempenham um papel importante, já descrito e consagrado no tratamento dos cabelos. Por analogia, vale a pena associar esses elementos. Também é válido aumentar o aporte de proteínas se for constatado um déficit na ingesta. Normalmente aconselho o uso do whey protein. Zinco, cobre e selênio podem ser importantes na dose recomendada diá- ria, ou suplementados, caso for constatado déficit desses elementos.

Fortalecedores

Há dois tipos de fortalecedores de unhas:

  1. À base de fibras que são incorporadas à unha, formando um filme que, durante o uso do produto apenas, dará um maior suporte e sustentação à unha que se encontra fragilizada.

Podemos formular ou utilizar produtos prontos que contêm fibras naturais compostas de aminoácidos provenientes da seda, arroz ou polímeros como o nylon, acrilatos e ésteres do silício, entre outros. Além disso, podemos lançar mão de nutrientes para enriquecer essas fórmulas, tais como a cisteína e o silício, bem como outros componentes hidratantes e emolientes que, usados continuamente, podem realmente ajudar a restabelecer gradualmente a saúde das unhas.

  1. À base de formol, que altera definitivamente a estrutura da unha, tornando-a mais endurecida às custas do aumento do crosslinking da queratina.

O formaldeído até 5% nos esmaltes é permitido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) com o objetivo de endurecimento da unha. Por isso, muitos produtos conhecidos utilizam-se desse composto em suas bases fortalecedoras. A concentração dessa substância varia muito, pois alguns combinam ativos do primeiro tipo para tentar reduzir os efeitos colaterais do formol. Apesar de popular, esse tipo de fortalecedor só está indicado para aquelas pessoas que têm a unha mais amolecida, por excesso de água. Além do risco de alergia, já bem conhecido de todos nós, aqui o crosslinking da queratina ocorre de forma aleatória e indefinida, podendo prejudicar a própria estrutura da unha. Com isso podem surgir riscos e alterações da superfície da unha e perda de água, levando a unha a descamar e quebrar, mesmo que esteja mais endurecida. Por esse motivo, acredito que seja melhor utilizar o silício para este propósito do que o formol. O silício promove o endurecimento da unha sem a perda da água e pode ser utilizado de forma sistêmica e tópica.

*Dra. Tatiana Villas Boas Gabbi: Formada em Medicina pela Universidade de São Paulo. Residência Médica em Dermatologia HCFMUSP. Médica responsável pelo Departamento de Unhas e Cabelos da SBD 2012-2016. Médica Assistente do Ambulatório de Doenças das Unhas do Departamento de Dermatologia HCFMUSP. Pós graduanda em Nutrologia pela Abran.